NGO-CambioNews grd

Mercado financeiro repercute consequências e não é quem dá causas!

Recentemente, o Presidente Bolsonaro criticou o fato do mercado financeiro, nas suas palavras, ficar “irratado” com suas decisões, e o Vice Presidente Mourão deu “eco” a declaração acrescendo que não pode concordar com a supremacia do mercado ante medidas que consideram necessárias e fundamentais.

Evidente que nenhuma das duas faz senso, mas representa repulsa ante consequência natural como reação à medida que afetam perspectivas e acentuam inseguranças já presentes no ambiente de negócios no Brasil.

Num contexto em que o país tem situação de altíssimo risco fiscal, que tem repercussões enormes e consequências imediatas, quando se põe à mesa a possibilidade de recompor os programas assistenciais às populações carentes, num impulso determinado pela inconteste necessidade, sem, contudo, haver fontes de financiamento, é inevitável o impacto nas perspectivas de agravamento da crise fiscal com a qual o país convive, e isto altera o comportamento dos ativos de forma generalizada e as perspectivas.

O mundo dos negócios é assim, aqui no Brasil e no mundo todo, perspectivas preocupantes provocam reações defensivas dos mercados.

Então, o momento que concentra na questão dos programas assistenciais, na forma posta é preocupante para o mercado financeiro, que esperava que houvesse maior dinâmica no processo de vacinação e na implementação do andamento mais veloz das reformas tributária e administrativa por parte do Governo e do “novo” Congresso.

Há muita pressão política e indisfarçável vontade do Presidente que vê no fato importante bandeira na sua campanha para reeleição, e isto causa estresse e inquietação que são precificados nos ativos, como consequência natural.

E este é um problema do Brasil, e se salvam somente os papéis acionários ligados ao setor de commodities e a formação do preço do dólar repercute de imediato.

Mas o mundo nos observa, é natural que o investidor estrangeiro fique reticente nas suas decisões de dar continuidade aos investimentos no país, em especial na Bovespa e o real volta a ser especulado na CFTC.

Os fundos e especuladores que atuam nos mercados futuros dos Estados Unidos tem aumentado continuamente as apostas contra o real e isto faz parte da percepção global e não local, e, o real fechou a semana passada atrás das demais emergentes em meio a persistente ruído fiscal.

Tivemos um “feriado longo” de 4 dias úteis, é importante observar se esta continuará sendo a tendência, visto que por aqui nada mudou e o quadro preocupante em perspectiva perdura e ainda parece sem solução.

A Bovespa tende a continuar circundando os 120 mil pontos ancorados, em especial, nos papéis ligados a commodities, e é interessante matéria publicada hoje pelo Jornal O Valor na sua edição internacional, na qual destaca que 64% das ações brasileiras ainda não conseguiram recuperar os níveis de preços de 2019, o que deixa claro que a atividade econômica não vem dando motivos para esta recuperação, e se analisarmos com rigor, nada houve ainda de efetivo para alterar este cenário.

A perspectiva do novo plano de apoio do governo americano animou a DJ ontem, mas pode criar viés de alta maior no preço do petróleo e isto com o nosso real sendo desvalorizado é impacto direto “na bomba” e dai na inflação, que o BC teima em afirmar temporária, mas que já vem forte há muito tempo, e desta forma colocar pressão para mudança mais rápida da SELIC.

O quadro brasileiro é bastante complexo, o que sugere muitos ruídos e insegurança e como consequência volatilidade, e não se tem clareza de quais serão os atalhos para resolver a retomada dos programas assistenciais.


Sidnei Moura Nehme
Economista e Diretor Executivo da NGO Corretora de Câmbio


Copyright © 2021. Direitos pertencentes a seus respectivos autores. É obrigatória a menção à fonte e ao autor para reprodução total ou parcial dos textos. Esta é uma publicação de caráter informativo e não deve ser considerada como uma oferta de compra ou venda de ativos ou de qualquer instrumento financeiro.

Coluna CâmbioNews nos principais veículos:

Investing.com
Money Times
Broadcast - AE

exclusivo para assinantes

Mesa: (11) 3291-3260    |    Tel: (11) 3291-3266    |    Fax: (11) 3106-4920

Ouvidoria

0800 777 9504

ATENDIMENTO

de segunda a sexta-feira

das 09h00 às 18h00

ouvidoria@ngo.com.br

Acompanhe a NGO
ngo-icon b-facebook    ngo-icon c-twitter 

ngo-icon a-logo