Notícias

Termômetro Broad: Notas da Fazenda mostram melhora em setembro e as do BC oscilam em baixa

Termômetro Broad: Notas da Fazenda mostram melhora em setembro e as do BC oscilam em baixa

As médias de avaliação da gestão do Ministério da Fazenda tiveram melhora no mês de setembro, marcado pela mobilização da equipe econômica para garantir a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita os gastos do governo, mostra o Termômetro Broad. As médias do Banco Central (BC), por outro lado, oscilaram em baixa, na mesma tendência vista em agosto ante julho. No mês passado, 50 instituições responderam ao questionário do Termômetro, entre os dias 23 e 30.



A nota de avaliação da Fazenda em geral subiu de 5,8 para 6,1 de agosto para setembro, enquanto a média para a Política Fiscal passou de 5,5 para 5,8. A nota da Comunicação ficou em 5,9, de 5,8 no mês anterior.



Termômetro Broad – Médias
Categorias Agosto Setembro
Nota Geral da Fazenda 5,8 6,1
Política Fiscal 5,5 5,8
Comunicação 5,8 5,9
Nota Geral do Banco Central 7,2 7,1
Política Monetária 7,1 6,9
Política Cambial 6,7 6,6
Comunicação 7,3 7,0
Fonte: AE Dados

O esforço dos membros do governo ao longo do mês esteve concentrado não somente no encaminhamento da PEC 241 à Câmara, mas também em convencer parlamentares, a opinião pública, empresários e o mercado financeiro da necessidade de aprovação do texto como um primeiro passo nas reformas fiscais. A defesa da PEC foi encampada também pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, que até pouco tempo atrás chegou a ser visto como voz dissonante dentro do governo. O presidente Michel Temer disse não ter “dúvida” da aprovação do texto.



Até mesmo o secretário de Política Econômica da Fazenda do primeiro mandato de Dilma Rousseff, Márcio Holland, chegou a afirmar que a proposta é o “Plano Real da área fiscal”.

A estratégia, ao menos aos olhos do mercado, parece ter funcionado, uma vez que nas últimas semanas a confiança de que a PEC vai passar esteve entre os argumentos para justificar o otimismo nos mercados de câmbio e, principalmente, de juros.



No último dia 22, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se envolveu num imbróglio, após uma suposta declaração, dada em entrevista a uma agência de notícias em Nova York, de que uma queda da Selic em dezembro era “altamente provável”. A suposta afirmação gerou ruídos no mercado, uma vez que não é do perfil do ministro comentar sobre política monetária, até porque já foi presidente do BC. A assessoria de imprensa da Fazenda negou que ele tenha comentado sobre o assunto. De todo modo, a polêmica terminou sem maiores prejuízos à imagem da pasta e do ministro.



ngo broad setembro

No caso do Banco Central, a nota geral saiu de 7,2 para 7,1 entre agosto e setembro. A média para a Comunicação recuou de 7,3 para 7,0 e a da Política Monetária, de 7,1 para 6,9. Por fim, a nota para a Política Cambial ficou em 6,6, de 6,7.



O Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado no dia 22, seguido de entrevista do diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana, foi o destaque da comunicação do BC no mês passado. O documento foi considerado “dovish” e consolidou as apostas de que o início dos cortes da Selic será em outubro. Esta percepção já vinha ganhando força após a divulgação do IPCA-15 de setembro, dias antes do RTI, abaixo do piso das projeções dos economistas.



Na seara cambial, o Banco Central manteve sua prática de leilões diários de venda de swap reverso, mas reduziu o volume de contratos de 10 mil para 5 mil no dia 14. Outra novidade foram dois leilões de linha realizados no dia 30, com oferta total de US$ 4 bilhões, sendo US$ 1,6 bilhão em dinheiro novo e os demais US$ 2,4 bilhões para rolagem de contratos.



O Termômetro Broad é produzido mensalmente pelos profissionais do AE Dados junto a bancos, corretoras, consultorias, gestoras de recursos, instituições de ensino, departamentos econômicos de empresas e outros com histórico de realização periódica de projeções de indicadores econômicos.



A divulgação dos resultados é feita nos serviços em tempo real do Broadcast na quarta-feira mais próxima do dia 5 de cada mês. Em caso de feriado, a divulgação ocorre no primeiro dia útil subsequente.



São publicados apenas os resultados consolidados da pesquisa. As respostas individuais das instituições ficam em sigilo. A redação da Agência Estado não tem acesso às respostas individuais. O questionário, enviado por e-mail, deve ser respondido uma única vez por instituição, na última semana de cada mês.


Fonte: Agência Estado / Autor: Marcelo Augusto  – Analista de Base de Dados e Indicadores •  Dados

Compartilhar :
plugins premium WordPress