NGO na Mídia

Dólar acelera alta e bate 1% ante real pós-Fed

Na quarta-feira, o BC norte-americano decidiu continuar comprando títulos ao ritmo de 85 bilhões de dólares por mês. O dólar acelerava a alta ante o real nesta quinta-feira, após a forte queda da sessão anterior em um ambiente temperado pela decisão do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, de manter o ritmo do programa de compra de ativos. Às 12h45, o dólar avançava 0,88 por cento, a 2,2135 reais na venda, após atingir valorização de 1 por cento, chegando a 2,2166 reais na máxima intradia. Segundo dados da BM&F, o volume de negociação estava em quase 778 milhões de dólares.

Na quarta-feira, o BC norte-americano decidiu continuar comprando títulos ao ritmo de 85 bilhões de dólares por mês

O dólar acelerava a alta ante o real nesta quinta-feira, após a forte queda da sessão anterior em um ambiente temperado pela decisão do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, de manter o ritmo do programa de compra de ativos.

Às 12h45, o dólar avançava 0,88 por cento, a 2,2135 reais na venda, após atingir valorização de 1 por cento, chegando a 2,2166 reais na máxima intradia. Segundo dados da BM&F, o volume de negociação estava em quase 778 milhões de dólares.

Na sessão anterior, a moeda dos Estados Unidos caiu 2,89 por cento, para 2,1942 reais, seu menor nível desde 26 de junho.

“O mercado está oscilando bastante porque depois da decisão do Fed, (o dólar) tem que traçar novos ajustes”, afirmou o operador de câmbio da Intercam Glauber Romano.

Na quarta-feira, o BC norte-americano decidiu continuar comprando títulos ao ritmo de 85 bilhões de dólares por mês, expressando preocupação de que um forte aumento nos custos de empréstimo nos últimos meses possa pesar sobre a economia.

A decisão deve abrir uma nova perspectiva para o desempenho do dólar no Brasil, mas ainda há dúvidas sobre qual o patamar a moeda deverá se estabilizar. “Agora são novos rumos e novas metas. Ontem caiu muito e ainda tem espaço para cair mais”, afirmou Romano.

Já o diretor-executivo da NGO Corretora, Sidnei Nehme, acredita que a postura do Fed levará o dólar a passar a operar dentro de uma banda entre 2,20 reais e 2,25 reais.

“O Fed não adotou a medida que todos esperavam de dar início ao desmonte do programa de incentivos e um fato que contribuiu para isso foi o desconforto que isso criaria para as taxas de juros. O aumento dos juros poderia comprometer parte do que foi conquistado por lá”, disse Nehme.

No cenário interno, o Banco Central deu mais um passo no programa de intervenções diárias no mercado de câmbio, com a venda dos 10 mil contratos ofertados de swap cambial tradicional –equivalente a venda de dólares no mercado futuro– com vencimento em 3 de fevereiro de 2014. O volume financeiro equivalente do leilão foi de 497,2 milhões de dólares.


Fonte: Exame
Link: http://goo.gl/1ZYKgS
Autor: Reuters
Data de publicação: 19/09/2013

Compartilhar :
plugins premium WordPress