NGO-CambioNews grd

Setembro desafiador após  agosto negativo. perspectivas não projetam melhoras!

Se agosto confirmou ser o mês do desgosto, não há fatores que sugiram um setembro melhor, afinal as perspectivas só projetam pioras e tensões maiores no campo político, econômico e fiscal.

O mundo não vai tão bem quanto parecia, há ainda problemas com geração de empregos e a ameaça de um rebote da pandemia, agora com o “delta”, que fomentam as incertezas.

O Brasil deve ter maiores reflexos da crise hídrica/energética que assola o país e que agora trará maiores impactos inflacionários,  exigindo mais das autoridades para que o país não veja retroceder seus indicadores econômicos e fiscais e, não haja retrocessos mais intensos nas expectativas, acentuando o sentimento de desalento já presente.

O clima tenso na área política, excessivamente tenso na prematura disputa eleitoral, faz transparecer que o governo tem um único foco no momento, coincidente com o afloramento de forma contundente e perversa da crise hídrica/energética que, certamente, causará danos maiores do que os que estão, a priori, sendo propagados.

O PIB do 2º trimestre veio aquém das expectativas e com o “fato novo relevante” não se devem nutrir projeções melhores para o 3º trimestre, ou mesmo, para o ano, pois o incremento da inflação será devastador da parca capacidade de consumo da grande maioria da população, afora, naturalmente, sua capacidade de estagnar a atividade econômica.

“Tudo que de efetivamente importante há” parece ir se “arrastando” sem norte, enquanto o Presidente realiza noticiatas ao longo das semanas, acirramentos entre os poderes se acentuam, preponderando então a percepção de que o país perde o foco no que realmente é relevante, ao mesmo tempo em que o Ministro Guedes da Economia continua com suas projeções apocalípticas e proféticas que não se confirmam na prática, construindo desta forma a descrença na política econômica.

Neste contexto, há muita expectativa sobre a atuação do “novo BC independente” que será posto à prova no enfrentamento da dantesca pressão inflacionária em perspectiva e que exigirá enfrentamento frontal por parte da autoridade monetária, que poderá até colocar suas decisões em oposição a consensos que predominam no mercado financeiro. O BC/COPOM vai ter que ir além das expectativas, para não correr o risco de desconstrução de sua imagem e ir pela mesma rota da perda de credibilidade da política econômica.

A questão fiscal deve continuar na berlinda, o governo quer e em grande parte precisa responder ao aumento exponencial da pobreza e miséria no país e este é um campo vasto para o populismo em clima pré-eleitoral já estabelecido, mas pode agravar de forma contundente o frágil quadro do país neste campo, face à propensão de gastar o que não tem efetiva capacidade. 

Enfim, neste cenário complexo e cheio de contraditórios, o que poderá resultar de efetivo e uma alta “do tamanho adequado” na taxa SELIC e este, se confirmado, será poderoso antídoto à elevação da taxa cambial no Brasil, que poderá ser contributiva para ajudar a conter as pressões inflacionárias oriundas das commodities exportáveis. 

Por outro lado, fica cada vez mais evidente que ainda é prematura a ideia do governo americano reduzir os incentivos,  pois a geração de empregos pela economia, como atesta o mais recente dado da ADP, está aquém das expectativas, e a pandemia do coronavírus se reacende por lá acentuando as precauções.

O governo americano/FED, a despeito dos ruídos frequentes, precisa ainda do dólar fragilizado para incrementar sua atividade econômica, e isto, favorece as moedas emergentes, em especial o nosso real.

Desta forma, setembro que sugere tanta ou mais perturbação que agosto, crescimento dos percalços e incertezas, poderá acentuar, dada as circunstâncias, a apreciação do real.

Vamos aguardar o andamento dos fatos, mas a “priori”, o real poderá ser o grande beneficiário do mês, se o BC/COPOM não decepcionar.

Algum fluxo de investimentos estrangeiros poderá surgir, focando rentabilidade em renda fixa, mas muito improvável para renda variável, como a Bovespa, que deverá sem “punch” para a retomada.

.


Sidnei Moura Nehme
Economista e Diretor Executivo da NGO Corretora de Câmbio


Copyright © 2021. Direitos pertencentes a seus respectivos autores. É obrigatória a menção à fonte e ao autor para reprodução total ou parcial dos textos. Esta é uma publicação de caráter informativo e não deve ser considerada como uma oferta de compra ou venda de ativos ou de qualquer instrumento financeiro.

Coluna CâmbioNews nos principais veículos:

Investing.com
Money Times
Broadcast - AE

exclusivo para assinantes

Mesa: (11) 3291-3260    |    Tel: (11) 3291-3266    |    Fax: (11) 3106-4920

Ouvidoria

0800 777 9504

ATENDIMENTO

de segunda a sexta-feira

das 09h00 às 18h00

ouvidoria@ngo.com.br

Acompanhe a NGO
ngo-icon b-facebook    ngo-icon c-twitter 

ngo-icon a-logo