NGO-CambioNews grd

Cenário de curto prazo brasileiro gera otimismo e ignora fatores futuros negativos

Há sinais ainda discretos de retomada da atividade econômica no Brasil, o PIB do 1º trimestre aponta nesta direção, e com o novo perfil de atuação do BC fazendo a correção da taxa de juros, compatibilizando-a com a realidade brasileira e aos parâmetros inflacionários presentes, o preço do dólar  começa a devolver a exacerbação havida na formação do seu preço no Brasil, em certo momento estimulado pelo próprio governo em retórica permanente e pela inércia do BC no trato do juro.

O desafio seguinte é o Brasil reconquistar a atratividade e credibilidade externa face dos investidores estrangeiros, promovendo assim a melhora de fluxo cambial para o país e o retorno de recursos para  a Bovespa e para a economia nacional.

O PIB do 1º trimestre deste ano cresceu 1% comparado com o mesmo período do ano passado, sem ajuste sazonal, tendo o agronegócio o carro chefe com alta de 5,2%, e até mesmo a indústria deu contribuição de 3%. Lamentável que o setor de serviço ainda não tenha ganho vitalidade já que registrou leve queda de 0,8%, sendo que este setor representa em torno de 70% do PIB. Bom sinal foi emitido também pela FBCF que disparou algo com 17%. O consumo das famílias registrou queda de 17% refletindo a interrupção dos programas emergenciais à  população mais carente no período. 

Na comparação com o 4º trimestre de 2020 o crescimento foi de 1,2%, com o agronegócio com crescimento de 5,7%, e nesta comparação o setor de serviços evidencia discreto incremento de 0,4%.

Com o mercado focado mais no presente, no curto prazo, o ambiente é de recuperação da economia, e com as perspectivas de aumento maior do juro o preço do dólar depreciar-se no nosso mercado, diminuindo a volatilidade, porém há no médio e longo prazo razões preocupantes ignoradas neste momento.

É IMPERATIVO QUE O GOVERNO HAJA NO SENTIDO DO AJUSTE DOS PREÇOS RELATIVOS DA ECONOMIA BRASILEIRA “MARCADOS A MERCADO” E QUE FORAM EXTREMAMENTE AVILTADOS PELA COMBINAÇÃO DOS PREÇOS DAS COMMODITIES E DO DÓLAR NO NOSSO MERCADO INTERNO.

O PREÇO DO DÓLAR JÁ CAIU MAIS DE 12% E OS PREÇOS ALIMENTARES E O PETRÓLEO NÃO REPERCUTIRAM O MOVIMENTO DA MOEDA AMERICANA COLOCANDO-SE EM BAIXA EQUIVALENTE, POIS AFINAL SE PENALIZA A POPULAÇÃO E ESTIMULA A INFLAÇÃO COM MARCAÇÃO DE PREÇOS A MERCADO, NADA MAIS LÓGICO QUE REPERCUTA A QUEDA NO PREÇO DO DÓLAR DE FORMA INCONTINENTE, AO INVÉS DE SUSTENTÁ-LOS COM BASE NO PREÇO MÁXIMO ALCANÇADO PELA MOEDA AMERICANA.

O GOVERNO PRECISARIA AGIR DE FORMA CONTUNDENTE NESTE ASPECTO QUE SERÁ RELEVANTE PARA CONTER O VIÉS INFLACIONÁRIO PRESENTE.

ESTA É A HORA DO GOVERNO COBRAR A PETROBRÁS DE FORMA CONTUNDENTE, SEM PERDER DE VISTA O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO PETRÓLEO NO MERCADO INTERNACIONAL, E TAMBÉM DO AGRONEGÓCIO. 

O sentimento é de o país deseja “viver o momento presente” sem os temores do que está por vir, como a probabilidade de termos uma 3ª onda da pandemia do coronavírus ou mesmo uma crise hídrica que teria forte impacto na atividade econômica, afetando não só o abastecimento de água como também a produção de energia, no ambiente interno, e no externo eventual decisão do FED americano de reduzir os programas governamentais impactando na liquidez, além do risco da inflação americana se acentuar e o juro dos treasuries se elevarem o que valorizaria o dólar. 

Então o que se vê nesta onda de “viver o presente” é a Bovespa ganhando dinamismo, que poderá intensificar-se mais se o investidor estrangeiro retornar, e ao mesmo tempo o preço do dólar depreciar-se de forma rápida.

Mesmo o cenário político já muito focado nas eleições presidenciais do ano que vem e com perturbações pontuais pelo acirramento que tem origem na CPI em andamento, parece ter consideração menor do mercado financeiro neste momento.

‘Viver o presente” e ignorar as perspectivas é uma opção, mas rigorosamente sem a sustentabilidade confortável, visto que o emprego e a renda no país tem dados preocupantes, o poder aquisitivo da população é cada vez menor e isto repercute na capacidade de consumo e há fatores externos que poderão afetar o nosso ambiente. 

As vulnerabilidades continuam no radar e é temerário não considerá-las como factíveis.


Sidnei Moura Nehme
Economista e Diretor Executivo da NGO Corretora de Câmbio


Copyright © 2021. Direitos pertencentes a seus respectivos autores. É obrigatória a menção à fonte e ao autor para reprodução total ou parcial dos textos. Esta é uma publicação de caráter informativo e não deve ser considerada como uma oferta de compra ou venda de ativos ou de qualquer instrumento financeiro.

Coluna CâmbioNews nos principais veículos:

Investing.com
Money Times
Broadcast - AE

exclusivo para assinantes

Mesa: (11) 3291-3260    |    Tel: (11) 3291-3266    |    Fax: (11) 3106-4920

Ouvidoria

0800 777 9504

ATENDIMENTO

de segunda a sexta-feira

das 09h00 às 18h00

ouvidoria@ngo.com.br

Acompanhe a NGO
ngo-icon b-facebook    ngo-icon c-twitter 

ngo-icon a-logo