NGO-CambioNews grd

Perspectivas de fluxos externos positivos ofuscadas por economia em ritmo lento!

0
0
0
s2sdefault

O nível de atividade da economia brasileira sinaliza evolução e mantendo a direção certa, mas a intensidade denota estar pouco abaixo das projeções que alimentaram de forma intensa as perspectivas otimistas para o início do ano.

A inflação do mês de dezembro, ainda que houvesse justificativas com fatos pontuais, que conduziu o IPCA do ano de 2019 a ponto superior à meta, inquestionavelmente impactou no ambiente de forte otimismo e induziu a percepção sobre as perspectivas a serem atenuadas, visto que viraram o ano muito aquecidas.

Dados do varejo menos auspiciosos no mês de novembro, contrariando as expectativas de grande desempenho face ao “Black Friday”, adicionaram mais cautela, e a despeito do IBC-Br de novembro ter revelado alta de 0,18% pouco acima da projeção de 0,10%, mas chamou mais a atenção a revisão do dado de outubro de 0,17% para 0,09%, que redundou em avanço no acumulado em 12 meses de 0,90%.

Enfim, a resultante deste ambiente mais cauteloso e menos alvissareiro se confirmou na não intensificação de fluxos de recursos externos que eram aguardados de imediato para o início do ano.

A frustração ofuscou o otimismo e assim a Bovespa repercutiu com ajustes negativos e o dólar ganhou força, contraditoriamente quando o fluxo cambial, após longos meses, deu sinal de resultado positivo até o dia 10 deste mês.

A cena externa se tornou mais tênue com o acordo em sua fase preliminar entre China e Estados Unidos, e as retaliações entre Irã e Estados Unidos entraram em fase menos tensa, então deixou de ser a justificativa contumaz dos nossos males, que assim deixaram exposto que as causas estão aqui mesmo e é importantíssimo que haja reação reconduzindo o cenário ao otimismo, inegavelmente abalado.

O dólar cumpriu trajetória soberba saindo do R$ 4,01 da virada do ano para as proximidades do R$ 4,20, absolutamente sem quaisquer intervenções do BC ao longo da quinzena.

O sentimento é de que o BC desde agosto de 2019 encetou forte intervenção no mercado de câmbio, mas somente agora fica a percepção de que “controlou a consequência maior, a febre, sem prover com cura a doença”, enfim muita transpiração e pouca efetividade no combate à disfuncionalidade na formação do preço do câmbio, já que intervindo na forma “neutra”, não se limitando a prover de solução objetiva a carência de liquidez no período de queda forte do fluxo cambial, pode ter errado ao intervir conjuntamente de forma casada, dita neutra, no mercado de câmbio à vista e futuro de dólares.

Enfim, foram quase 10% das reservas cambiais e a disfunção está presente, o que se acredita teria sido evitado se a intervenção ocorresse tão somente com oferta de liquidez num mercado que era carente somente de liquidez no segmento à vista, simples assim, equacionando o preço à realidade.

E, então, uma vez colocada “ordem na casa” a autoridade monetária passaria a intervir de forma neutra, que acabaria dando sustentabilidade ao preço, num ambiente de taxa cambial equalizada com a realidade cambial do país, que não tem quaisquer riscos de crise cambial.

Agora, como se estivesse numa fase sabática em reflexão, a autoridade se mantém ausente do mercado, o que passa uma sensação de que o câmbio, importante fator de fomento inflacionário, está, grosseiramente falando, praticamente largado nesta primeira quinzena do ano.

É provável que tenha permitido que a exacerbação de momento tenha ido além do razoável, e que retome as intervenções somente com oferta de liquidez no mercado à vista, aguardando que ocorra recuperação gradual do fluxo.

O câmbio sensibiliza muito rapidamente o sentimento dos negócios no país, e quando seu preço foge do razoável transparece que algo não vai bem e gera incertezas e intranquilidade, além de ter capacidade inflacionária de grande contundência.

“Pagar para ver” não é uma boa postura da autoridade monetária, é melhor atuar pontualmente e com o mecanismo e forma precisa e adequada.


Sidnei Moura Nehme
Economista e Diretor Executivo da NGO

0
0
0
s2sdefault


Copyright © 2020. Direitos pertencentes a seus respectivos autores. É obrigatória a menção à fonte e ao autor para reprodução total ou parcial dos textos. Esta é uma publicação de caráter informativo e não deve ser considerada como uma oferta de compra ou venda de ativos ou de qualquer instrumento financeiro.

Coluna CâmbioNews nos principais veículos:

Investing.com
Money Times
Broadcast - AE

exclusivo para assinantes

Mesa: (11) 3291-3260    |    Tel: (11) 3291-3266    |    Fax: (11) 3106-4920

Ouvidoria

0800 777 9504

ATENDIMENTO

de segunda a sexta-feira

das 09h00 às 18h00

ouvidoria@ngo.com.br

Acompanhe a NGO
ngo-icon b-facebook    ngo-icon c-twitter 

ngo-icon a-logo