NGO-CambioNews grd

Cena externa tranquila e fluxo cambial retomando o positivo! E o otimismo se foi?

0
0
0
s2sdefault

Estranho e contraditório é o mínimo que se pode falar do “status quo” presente neste momento no mercado financeiro do Brasil, com sinalizações de reversão do otimismo fortemente consistente após a primeira semana do ano, e que fora fundado anteriormente em perspectivas absolutamente factíveis, mas agora tem sinalização marcante negativa a partir do mercado de dólar com a moeda americana em forte alta e que acabou por fazer-se notório em todo mercado financeiro, atingindo também a BOVESPA.

E o BC mantendo a ausência no mercado de câmbio com os seus leilões, e acentuando o contraditório ganhando maior destaque tendo em vista que o fluxo cambial, após longo período, revelou-se finalmente favorável ao Brasil no seu desempenho até o dia 10, pontuando saldo positivo de US$ 1,110 Bi.

Por outro lado, há informes oriundos do mercado acionário sinalizando forte saída de estrangeiros da BOVESPA no período até o dia 10, quando se aguardava ansiosamente o reinicio do fluxo positivo dos investidores externos.

Pode ser que o fluxo cambial de 13 em diante evidencie reversão do fluxo a negativo e justifique eventual pressão sobre a formação do preço do dólar, é uma hipótese, mas mesmo assim fica o questionamento sobre as razões que determinam a ausência do BC, pontualmente com leilões objetivos de venda de dólares para liquidez ao mercado de câmbio, simples assim, sem conjugá-los com leilão de swaps cambiais reversos, o que acaba por dar sustentabilidade ao preço que já está aviltado, ou como se diz, com disfuncionalidade.

Não se pode descartar a hipótese de que o “susto” da inflação de dezembro, atribuída ao preço da carne, mas sabidamente não somente a isto, tenha impactado negativamente sobre as perspectivas amplamente favoráveis e que tenha levado à reflexão de que incertezas novas poderão surgir ofuscando a visão prospectiva favorável.

Mas, certamente há uma gama de hipóteses, contudo nenhuma contempla com razoabilidade a ausência do BC do mercado de câmbio quando a expressiva alta se constituiu num “chamamento urgente” da autoridade pelo mercado para pôr ordem na casa, mesmo que a origem seja a especulação.

“Juro baixo dólar alto”, como asseverou o Ministro Guedes, é enfático para discursos de oportunidade, mas quando se convive com a realidade se torna absolutamente preocupante quando ocorre em concomitância com o aquecimento inflacionário, já que a expansão do sentimento inflacionário impacta rapidamente nos preços relativos da economia, e este fato pode causar reversões que não teriam solução sem que se renunciasse a parte dos avanços alcançados.

Então, podem voltar às incertezas e isto provoca recuo de investidores, posturas defensivas e incremento da especulação.

Seria este o quadro?

Como já destacamos em comentário recente, a distância entre o otimismo e o pessimismo é muito mais curta do que se imagina, ainda mais quando o momento ainda é de transição ancorada mais nas perspectivas do que em fatos materializados.

Quando não há fundamentos críveis para determinados movimentos, até então atípicos face às perspectivas, o cenário se torna preocupante!


 Sidnei Moura Nehme
Economista e Diretor Executivo da NGO

0
0
0
s2sdefault


Copyright © 2020. Direitos pertencentes a seus respectivos autores. É obrigatória a menção à fonte e ao autor para reprodução total ou parcial dos textos. Esta é uma publicação de caráter informativo e não deve ser considerada como uma oferta de compra ou venda de ativos ou de qualquer instrumento financeiro.

Coluna CâmbioNews nos principais veículos:

Investing.com
Money Times
Broadcast - AE

exclusivo para assinantes

Mesa: (11) 3291-3260    |    Tel: (11) 3291-3266    |    Fax: (11) 3106-4920

Ouvidoria

0800 777 9504

ATENDIMENTO

de segunda a sexta-feira

das 09h00 às 18h00

ouvidoria@ngo.com.br

Acompanhe a NGO
ngo-icon b-facebook    ngo-icon c-twitter 

ngo-icon a-logo