Dólar recua e fecha em R$ 3,91, interrompendo sequência de cinco altas

Banco Central, após ficar uma semana sem fazer novas operações de câmbio, realizou dois leilões de linha, em um total de US$ 1 bilhão

Após cinco dias consecutivos de alta, o dólar chegou a engatar queda de quase 1% na manhã desta terça-feira (11/12), recuando para R$ 3,88, embalado pelo avanço do diálogo comercial entre a China e os Estados Unidos e pela volta do Banco Central ao mercado por meio de leilões de linha (venda da moeda no mercado à vista com compromisso de recompra).

Mas o movimento perdeu força na parte da tarde e a moeda norte-americana acabou reduzindo o ritmo de perda e se aproximando da estabilidade, em meio a notícias negativas no mercado internacional. No final do dia, o dólar à vista terminou em queda de 0,22%, aos R$ 3,9138.

O bom humor dos investidores pela manhã, com as notícias sobre ligações telefônicas entre Washington e Pequim, foi substituído por um movimento de cautela na parte da tarde. A razão foi a ameaça do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de paralisar o governo caso o Congresso não incorpore no orçamento recursos para a construção do muro na fronteira com o México.

As bolsas em Nova York viraram e o dólar ampliou a alta ante moedas de países desenvolvidos e alguns emergentes mais vulneráveis, como Turquia e Argentina.

 

Mercado interno

No mercado doméstico, o Banco Central, após ficar uma semana sem fazer novas operações de câmbio, promoveu dois leilões de linha, em um total de US$ 1 bilhão. O objetivo foi dar liquidez ao mercado, sobretudo por conta da maior pressão de compradores que precisam de dólar para remeter recursos para o exterior, demanda que costuma crescer em finais de ano.

O economista e diretor executivo da NGO, Sidnei Nehme, considera que o BC poderia ser mais agressivo, ofertando algo como US$ 5 bilhões ou US$ 6 bilhões a mais em face ao aumento das posições vendidas dos bancos, que se ampliaram para US$ 12 bilhões. Desde o final de novembro, os leilões de linha do BC somaram US$ 6,25 bilhões, incluindo o desta terça.

Os investidores estrangeiros seguem cautelosos com o Brasil e, somente na segunda-feira (10), aumentaram a posição comprada no mercado futuro (dólar e cupom cambial) em US$ 700 milhões, segundo dados da B3. Com isso, o estoque total dessas posições, que apostam na alta da moeda, chegou a US$ 41,7 bilhões, um dos maiores níveis das últimas semanas. Estimativa da consultoria Capital Economics indicam que os estrangeiros podem retirar US$ 100 bilhões dos emergentes neste quarto trimestre, o pior nível desde a posse de Trump.

Para o economista-chefe do Santander, Maurício Molon, o ambiente externo deve seguir mais desafiador em 2019, pressionando o dólar. Ele projeta a moeda norte-americana mais para a casa dos R$ 4 no ano que vem. No início do ano, porém, há chance de as cotações se aproximarem de R$ 3,80, por conta do movimento de reposicionamento dos investimentos nos mercados emergentes.

ngo na midia metropoles Fonte: Metrópoles
Autor: Estadão Conteúdo
Link: metropoles.com/dolar-recua-e-fecha-em-r-391-interrompendo-sequencia-de-cinco-altas
Data de publicação: 11/12/2018

0
0
0
s2sdefault
Mesa: (11) 3291-3260    |    Tel: (11) 3291-3266    |    Fax: (11) 3106-4920

Ouvidoria

0800 777 9504

ATENDIMENTO

de segunda a sexta-feira

das 09h00 às 18h00

ouvidoria@ngo.com.br

Acompanhe a NGO
ngo-icon b-facebook    ngo-icon c-twitter 

ngo-icon a-logo