Dólar em forte alta não deve frear corte do juro

Moeda americana fechou a R$ 3,628 nesta segunda-feira, mas, com atividade fraca e inflação baixa, aposta é de redução da Selic na quarta-feira.

Impulsionado por uma conjugação de incertezas externas e internas, o dólar praticamente não para de se valorizar desde 25 de janeiro, quando atingiu R$ 3,14, a menor cotação do ano. De lá para cá, a moeda americana subiu 15,5%. Nesta segunda-feira (14), em nova sessão de ganhos sobre o real, avançou 0,75% e encerrou o dia a R$ 3,628. É o maior patamar registrado em 25 meses.

Apesar do forte movimento do câmbio, o que pode ter reflexos na inflação, é quase consenso no mercado — mesmo entre quem discorda da provável decisão — que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) vai anunciar nesta quarta-feira (16) novo corte da taxa Selic. Desta vez, o juro básico deve ser reduzido em 0,25 ponto percentual. A queda, para 6,25% ao ano, tende a ser a última do ciclo de afrouxamento monetário, iniciado em outubro de 2016. O presidente do BC, Ilan Goldfajn, ressaltou semana passada que, por enquanto, inflação baixa e economia fraca ainda pesam mais do que o movimento do câmbio.

— Nossa economia está muito debilitada. Com a atividade desaquecida e as empresas com alta ociosidade, fica difícil repassar preços. Não vejo ameaça para a inflação — diz o Everton Gonçalves, superintendente da assessoria econômica da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), que reúne médias e pequenas instituições financeiras.

Para Gonçalves, a principal razão para a alta do dólar é o aumento do juro pelo banco central americano, o que leva capitais ao redor do mundo, principalmente os alocados nos países emergentes, a baterem asas de volta aos EUA em busca de aplicação mais segura.

— De 80% a 90% da culpa desta alta do dólar é o fator externo, embora aqui também tenhamos a indefinição eleitoral e o cenário fiscal difícil — entende o analista-chefe da Rico Investimentos, Roberto Indech, que, além do movimento de alta no juro americano, aponta tensões comerciais entre EUA e China como fonte de insegurança.

Um dos principais especialistas em dólar do país, Sidnei Nehme, diretor-executivo da NGO Corretora de Câmbio, vê maior peso de fatores internos. Por enquanto, ressalta, não é o fluxo de dinheiro saindo do país, mas empresas brasileiras recorrendo ao chamado hedge cambial. O instrumento financeiro de proteção à alta da moeda americana também acaba afetando a relação de troca entre real e dólar. Esse mecanismo, explica o especialista, fica mais barato à medida que cai a Selic.

— Temos ainda problema sucessório e atividade, emprego, renda e consumo fracos, além de um cenário fiscal ruim. A visão externa do Brasil piorou — observa Nehme, citando o indicador risco país, em alta desde meados de março.

Embora não espere que isso ocorra, Nehme entende que, diante deste quadro, o BC não deveria cortar o juro amanhã. Além de deixar mais barata e estimular a procura por hedge, torna a perspectiva do juro americano mais atrativa em relação ao brasileiro.

— Posteriormente, teremos um movimento de saída de recursos — vislumbra Nehme, que, ao contrário do economista da ABBC, espera impacto do câmbio na inflação. 

Para o diretor da NGO, o dólar pode chegar a R$ 3,75 em agosto. Turbulências internas e externas adicionais fariam a moeda se aproximar de R$ 4. Gonçalves prefere não arriscar até qual patamar o câmbio pode atingir, apesar de cravar que o dólar forte veio para ficar. Mas, para chegar a R$ 4, dependeria de um fato novo forte, entende o economista.

Observação de Sidnei Nehme: “Eu falei que os investidores estrangeiros estão demandando hedge cambial como proteção e não as empresas brasileiras como mencionado, embora as nacionais com exposição em dólares também estejam, mas o volume maior e significativo é dos estrangeiros.”


ngo na midia gaucha Fonte: O Estado de S.Paulo
Autor: Caio Cigana
Link: ...gauchazh.clicrbs.com.br/.../dolar-em-forte-alta-nao-deve-frear-corte-do-juro...
Data de publicação: 14/05/18

0
0
0
s2sdefault
Mesa: (11) 3291-3260    |    Tel: (11) 3291-3266    |    Fax: (11) 3106-4920

Ouvidoria

0800 777 9504

ATENDIMENTO

de segunda a sexta-feira

das 09h00 às 18h00

ouvidoria@ngo.com.br

Acompanhe a NGO
ngo-icon b-facebook    ngo-icon c-twitter 

ngo-icon a-logo